Ir al menú de navegación principal Ir al contenido principal Ir al pie de página del sitio

Conexiones, vulnerabilidades y la lucha de mujeres neurodivergentes por reconocimiento

Resumen

Esta investigación observa interacciones comunicacionales en torno al movimiento de la neurodiversidad, desde la perspectiva de mujeres autistas y activistas que enuncian sus luchas en las redes sociales digitales. Para identificar estas demandas, se realizó una atenta encuesta de las publicaciones de la autista Amanda Paschoal en su página de la red social Facebook en 2019, que reúne sus propias publicaciones y el intercambio de publicaciones de otros activistas que buscan el reconocimiento de neurodiversidad. El corpus teórico está constituido por teorías sobre vulnerabilidades y género (Ferrarese, 2016; Butler, 2016), normalización (Foucault, 1999), neurodiversidad (Singer, 1999) y los espacios de conversación digitales de la esfera pública (Marques, 2006) utilizados en las negociaciones civiles en torno a la causa. Finalmente, observamos cómo el reclamo por el reconocimiento del lugar de las mujeres autistas ha sido expuesto, cuestionado, revisado y no solo mencionado superficialmente en un entorno fluido y variable como el digital.

Palabras clave

Activismo; Autismo y Neurodiversidad; Mujeres; Vulnerabilidad.

PDF

Biografía del autor/a

Igor Lucas Ries

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Linguagens da Universidade Tuiuti do Paraná (PPGCom/UTP) - Bolsista CAPES/Brasil. Mestre em Comunicação e Linguagens PPGCOM-UTP. Membro dos GPs CIS-UTP (Corpo, Imagem e Sociabilidade) e INCOM-UTP (Interações Comunicacionais, Imagens e Culturas Digitais). E-mail: [email protected].

Bany Narondy Cabral Lima

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Linguagens da Universidade Tuiuti do Paraná (PPGCom/UTP) - Bolsista CAPES/Brasil. Mestre em Ciências Sociais e Humanas PPGCISH-UERN. Membro dos GPs CIS-UTP (Corpo, Imagem e Sociabilidade) e INCOM-UTP (Interações Comunicacionais, Imagens e Culturas Digitais). E-mail: [email protected].

Angie Biondi

Doutora em Comunicação Social pela UFMG. Professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Linguagens da UTP. Curitiba, Paraná, Brasil. Membro do GP CIS-UTP (Corpo, Imagem e Sociabilidade). E-mail: [email protected].


Citas

  1. Bailin, Aiyana. (2019). Clearing Up Some Misconceptions about Neurodiversity. Recuperado de: <https://blogs.scientificamerican.com/observations/clearing-up-some-misconceptions-about-neurodiversity/> Extraído em 15 out. 2019.
  2. Braga, José Luiz. (2008). Comunicação, disciplina indiciária. MATRIZes, 1(2), 73-88. Recuperado de: <https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v1i2p73-88>.
  3. Braga, José Luiz. (2016). Aprender Metodologia Ensinando Pesquisa: Incidências Mútuas entre Metodologia Pedagógica e Metodologia Científica. Porto Alegre, RS: EDIPUCRS.
  4. Brasil, Ministério da Saúde (2014). Diretrizes de atenção à reabilitação da pessoa com transtornos do espectro do autismo. Brasília, DF.
  5. Butler, Judith. (2011). Vida precária. Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar, n.1. São Carlos, SP.
  6. Butler, Judith. (2016). Quadros de Guerra: quando a vida é passível de luto? 2ª ed. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.
  7. Ferrarese, Estelle (2011). Les vulnérables et le géomètre. Raison Publique, [Rennes]: Presses universitaires de Rennes, pp.17-37.
  8. Ferrarese, Estelle. (2016). Vulnerability: a concept with which to undo the world asit is? Critical Horizons, v.17, n.2.
  9. Foucault, M. (1999). Vigiar e punir: nascimento da prisão. (20a ed). Petrópolis, RJ: Vozes.
  10. Foucault, M. (2005a). Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975- 1976). São Paulo, SP: Martins Fontes.
  11. Goffman, Erving. (1963). Estigma – Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Tradução: Mathias Lambert. Data da Digitalização: 2004.
  12. Gohn, Maria da Glória. (1995). Teoria dos Movimentos e Lutas Sociais. São Paulo, SP: Loyola.
  13. Gohn, Maria da Glória. (2008). Abordagens Teóricas no Estudo dos Movimentos Sociais na América Latina. Caderno CRH, Salvador, BA, v. 21.
  14. Gohn, Maria da Glória. (2010). Movimentos sociais e redes de mobilização no Brasil contemporâneo. Petrópolis, RJ: Vozes.
  15. Gohn, Maria da Glória. (2013). Sociologia dos Movimentos Sociais. São Paulo, SP: Cortez.
  16. Hine, C. (2005). Virtual Methods and the Sociology of CyberSocial-Scientific Knowledge. In: C. HINE (org), Virtual Methods. Issues in Social Research on the Internet. Oxford: Berg.
  17. Junior, Paiva. (2014) Casos de autismo sobem para 1 a cada 68 crianças. Revista Autismo. São Paulo, SP: Paiva Junior
  18. Junior, Paiva; Ribeiro, Sabrina. (2010). Uma em cada 110 crianças tem autismo. Revista Autismo. São Paulo, SP: Paiva Junior
  19. Maia Rousiley C.M.; Cal, D.; Hauber, G.; Oliveira V.; Rossini P.G.C.; Sampaio R.C.; Garcês R.L. (2017). Conversação e deliberação sobre questões sensíveis: um estudo sobre o uso das razões que circulam nos media. Galaxia (São Paulo, online), ISSN 1982-2553, n. 34, jan-abr., p. 55-72.
  20. Marques, Ângela. (2018). Entre a política e a estética: uma abordagem comunicacional de questões de justiça. Belo Horizonte, MG: PPGCOM UFMG.
  21. Marques, Ângela; Biondi, Angie. (2018) A narrativa de si e a produção da fala política de mulheres ativistas em posts de redes sociais. In: MAIA, Rousiley.; Prudencio, Kelly; Vimieiro, Ana Carolina. (Org.). Democracia em ambientes digitais: eleições, esfera pública e ativismo. 1ed., p.313. Salvador, BA: EDUFBA.
  22. Marques, Francisco Paulo Jamil Almeida. (2006) Debates políticos na internet: a perspectiva da conversação civil. In: OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, SP, vol. 12, nº 1, Abril/Maio, p. 164-187
  23. Mello, Anahi Guedes; Nuenberg, Adriano Henrique. (2012). Gênero e deficiência: interseções e perspectivas. In. Estudos Feministas, Setembro-Dezembro. Florianópolis, SC: UFSC.
  24. Paschoal, Amanda. (2020) Facebook.com/Amanda.Paschoal. Recuperado de: . Acesso em 15 jan. 2020.
  25. Rago, Margareth. (2013). A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas, SP: Ed. Unicamp.
  26. Russo, Fabiane. (2018). Entenda o termo “autismo de alto funcionamento”. Portal NeuroConecta. Recuperado de: <https://neuroconecta.com.br/entenda-o-termo-autismo-de-alto-funcionamento/>. Extraído em: 28 dez. 2019.
  27. Singer, Judy. (1999). “Why can´t you be normal for once in your life?’ From a ‘problem with no name’ to the emergence of a new category of difference”. In: M. Corker & S. French (orgs.). Disability discourse. Buckingham, Philadelphia: Open University Press. pp. 59-67.
  28. Touraine, Alain. (1973). Vie et mort du Chili populaire: journal sociologique, juillet-septembre. Paris: Éditions du Seuil.